Admirável Mundo Digital de Materiais de Construção


Este novo mundo que se desenha propõe o empoderamento do consumidor e o alargamento da liberdade de escolha, e mesmo que taxistas assustados depredem veículos do Uber, não aceitar isso é comparável a não admitirmos que a Terra gira em torno do Sol ou que poderemos controlar esse novo modelo econômico e suas consequências, por meio da violência física, lobbies corporativos, marcos regulatórios estatais, ou mesmo, ignorando-o.

Numa newsletter recente, Indústria de Materiais de Construção é Analógica?, disparada em junho, perguntamos, a respeito do ranking dos principais segmentos monitorados pela consultoria e-bit: “Será que um dia chegaremos a ocupar uma posição nesse ranking de volume de pedidos?”.

Chegou o dia. E mais cedo do que esperávamos.

No mais recente relatório WebShoppers, relativo ao primeiro semestre de 2015, a categoria Construção e Ferramentas aparece pela primeira vez, num modesto 12º lugar, com 1% de participação num faturamento de R$18,6 bilhões, ou seja, R$186 milhões.

Há de se ressaltar ainda, que esse número diz respeito, principalmente, à venda de ferramentas e está distribuído entre e-commerces especializados e não especializados.

Para aqueles, como nós, que aceitam o fato de que a Terra gira em torno do Sol, embora este faturamento seja pequeno, dentro das vendas totais das lojas virtuais e também dentro do sell out do segmento, esse é um momento emblemático e que não merece ser ignorado.

No artigo citado acima, já havíamos levantado dados de estudos anteriores, demonstrando a importância dos sites dos fornecedores durante o período de planejamento das reformas residenciais, como meio para pesquisa, comparações e apoio para as vendas nas lojas físicas e virtuais, estas últimas também, mesmo que embrionariamente, detectadas e analisadas.

No último dia 09, estivemos reunidos na plenária do Secovi com executivos da Leroy Merlin, Pincéis Atlas, Eucatex, fornecedores de pesquisa e empresas parceiras de Marketing e Marketing Digital, aprofundando esses pontos, entre tantos outros, na entrega da nova onda do Estudo Hábitos e Atitudes dos Consumidores com os Canais, Fornecedores e demais Agentes Influenciadores.

Entender na origem as barreiras e alavancas comportamentais que aceleram as escolhas e propiciam o consumo, é um importante diferencial para ganho de share em quaisquer categorias, inclusive materiais de acabamento e básicos, ainda mais num varejo on-line que já nasce sob a égide omnichannel e dentro de um cenário economicamente restritivo.

E para aqueles que ainda relutam em aceitar a inevitabilidade desse novo modelo econômico também no nosso segmento, lembramos que no 25º relatório WebShoppers, relativo ao ano de 2011, a categoria Casa e Decoração nem ao menos era citada. Hoje, é a 5ª em volume de pedidos e faturamento, com R$1,3 bilhão.

Faria esta categoria parte da curva de aprendizado para compras de materiais de construção?

A atenção dada a essa e tantas outras perguntas possíveis poderá determinar como será o admirável mundo novo de muitas das empresas no nosso mercado.

Newton Guimarães

Inteligência de Mercado
/ GrupoRevenda
/ GrupoRevenda

newton.guimaraes@revenda.com.br


Informes Anteriores______________________________________________
• Torres Corporativas de Certezas
• Infraestrutura, Construtora e Varejo
• Crise e Atitude


Patrocínio da Plataforma__________________________________________

Fornecedores Pesquisa____________________________________________