Informe 334
INFORMES ANTERIORES

Tá melhorando? Aonde?
“Não é aquilo que você não sabe que lhe causa problemas, mas sim, aquilo que você tem certeza.”


Pinte você mesmo
Da Frustração da Autoconstrução a Gratificação do "Faça Você Mesmo"



Há Millennials nos Materiais de Construção?
Uso das tecnologias no PDV Comparado por Faixa Etária e Classe Social
PAI E MÃE DIGITAIS

A Integração das Indústrias com o Varejo para Desenvolvimento dos E-Commerces
Há alguns anos, muitos executivos do segmento de material de construção se perguntavam se os comércios eletrônicos um dia seriam relevantes para a venda dos seus produtos. Hoje, a pergunta mudou: quando serão relevantes para a venda de materiais de construção?

Isso depende.

Relevante para quem? Varejistas pure players? Home centers? Varejistas menores alojados em marketplaces? Distribuidores Atacadistas? Para as indústrias de materiais básicos? Ou materiais de acabamento? E o que dizer do segmento de ferramentas manuais e elétricas?

Poderíamos acrescentar inúmeros agentes que compõem o segmento, mas vamos, por ora, nos aprofundar em um destes elos da cadeia, mas que impacta decisivamente todos os outros: consumidores finais.

Como já abordamos em artigos anteriores, num estudo recente com 798 consumidores que haviam reformado ou construído suas residências, buscamos entender como, durante o período de pesquisas que antecedeu o início da obra, a internet influenciou as decisões de compras.

Vamos filtrar esse olhar e aprofundar diretamente o que nos interessa.

Do total da amostra, 39% disseram ter consultado sites de fabricantes de materiais de construção nesse período, procurando principalmente por: fotos detalhadas de produtos, dicas de utilização, opiniões e comentários de outros consumidores, ambientes simulados e aprofundamento de informações e descrições técnicas.

Já 22% disseram ter consultado os e-commerces de materiais de construção nesse período, procurando principalmente por: preços de produtos, variedade, comparar preços com os preços das lojas físicas, pesquisar formas de pagamento.

Mesmo com essa ascendência dos canais digitais, apenas 12% disseram ter feito “alguma compra” (poderia ser apenas um item) para a obra em e-commerces nacionais durante a reforma ou construção. Em tempo, para reflexão, desta amostra, 85% precisaram do apoio da loja física, antes de concretizar a transação online.

Bem, como podemos ver, entre os principais atributos desejados há uma clara complementação dos papéis da indústria e varejo no ambiente digital: enquanto os primeiros contribuem num nível maior de tecnicidade, os segundos contribuem, principalmente, com atributos ligados a transação comercial.

Talvez, por esses dados, fique claro que uma das melhores maneiras de acelerar o inevitável amadurecimento deste canal, seja cada qual atender competentemente as expectativas dos consumidores, tanto nas próprias configurações,como na complementaridade entre indústria e comércios eletrônicos, eliminando ou minimizando ao máximo quaisquer tipos de pontos de atrito nesta relação.

Ao final, o consumidor poderá ser o maior beneficiado, o que aceleraria o desenvolvimento de mais este canal de vendas.

Contribuindo para aumentar a inteligência desta integração e acelerar o processo de desenvolvimento do canal, nesse momento, integrados a uma empresa de tecnologia, a Plataforma está começando a monitorar preços, sortimento, mix, penetração, rupturas e exposição de materiais de construção nos comércios eletrônicos.

A Plataforma é um sistema de compartilhamento de inteligência de mercado, cogerida por Leroy Merlin, Eucatex, Pincéis Atlas e Votorantim Cimentos, empresas empenhadas em melhor entender o segmento, contribuindo para sua profissionalização e desenvolvimento.


Newton Guimarães

Inteligência de Mercado
/ GrupoRevenda
/ GrupoRevenda

newton.guimaraes@revenda.com.br

Cogestores da Plataforma