Informe 334
INFORMES ANTERIORES

LAR É FORTALEZA
Com a Crise, 88,9% dos Consumidores Alegam Ficar Mais Tempo Dentro de Casa



NEGÓCIO SOCIAL DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO
Inteligência é Conectar Razões e Construir Pontes



PAI E MÃE DIGITAIS
A Integração das Indústrias com o Varejo para Desenvolvimento dos E-Commerces
QUANDO TUDO MELHORAR...

Novos Cenários, Leituras, Desafios e Adaptação
No artigo anterior, abrimos uma parte dos dados referentes ao novo estudo da Plataforma, quando identificamos o tipo de obra, em que fase esta obra se encontrava (obras acabadas tinham a entrevista encerrada) e o que seria feito no futuro.

Dentro dos diversos entendimentos, aprofundamos o que havia funcionado, na ótica destes consumidores, em seus relacionamentos com o varejo e fornecedores, e o que poderia ser aprimorado e oferecido a mais, que os estimulassem na continuidade destas obras.

Obviamente, o impacto da crise econômica não poderia ser descartado destes entendimentos e, além de monitorarmos esse impacto no planejamento futuro da obra, perguntamos também, já num campo hipotético: “Além de tudo o que você já nos disse, ainda pensando em melhorar sua casa, o que mais você gostaria de fazer nela, caso a situação econômica do país melhore e você se sinta mais confiante no futuro?”

Dos 900 entrevistados, distribuídos por 12 praças, apenas 4,1% nos disseram que não fariam mais nada. Dos 95,9% restantes da amostra, 36,5% nos disseram que “fariam outras obras na parte externa, como quintal e jardim”. Em segundo lugar apareceu “construiria mais algum cômodo”, com 36,1%.

É interessante notarmos que quando avaliamos aquilo que já foi feito, de fato as áreas externas aparecem com baixa incidência e, considerando obras de acabamento e pintura, são os quartos que receberam maior atenção.

Talvez essa informação vá ao encontro do objeto do artigo anterior, apoiado no dado de que 88,9% dos entrevistados alegaram estar passando mais tempo dentro de suas casas, devido a crise econômica.

Espera-se, portanto, que com o estancamento da crise e a possível retomada de crescimento nos próximos meses, esses consumidores comecem a se expandir novamente para o mundo externo, começando por olhar mais atentamente e melhorar suas varandas, quintais e jardins.

De qualquer maneira, para o segmento de materiais de construção fica o alerta de que em primeiro lugar, nessas intenções futuras para melhorias da casa, apareceu “compra de novos eletrodomésticos, como TV, geladeira, fogão, máquinas de lavar roupa, equipamento de som, computador etc.”, com 50,5%.

Como vemos, mudam os cenários, leituras e desafios.

O que não muda é a necessidade de nos antecedermos às diversas movimentações do mercado e rapidamente nos adaptarmos, para sobrevivência e evolução dos negócios.

A Plataforma é um sistema de compartilhamento de inteligência de mercado, cogerida por Leroy Merlin, Eucatex, Pincéis Atlas e Votorantim Cimentos, empresas empenhadas em melhor entender o segmento, contribuindo para sua profissionalização e desenvolvimento.


Newton Guimarães

Inteligência de Mercado
/ GrupoRevenda
/ GrupoRevenda

newton.guimaraes@revenda.com.br

Cogestores da Plataforma