Informe 334
INFORMES ANTERIORES

PREVISÕES PARA O CONSUMO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO
Materiais de Acabamento Lideram Intenções de Compras



CONSTÂNCIA GERA SABER
O Comportamento de Consumo no Mercado nos Últimos Três Anos.



LAR BELO LAR
A Beleza como Aspecto Motivacional para Realização de uma Obra
FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO

Recuperação Econômica será o Melhor Presente deste Final de Ano
Muito tem se falado a respeito da tão esperada recuperação econômica e desejos e opiniões - com toda a subjetividade oriunda desta combinação - à parte; vamos comparar os números de cinco importantes indicadores, relativos à indústria, serviços, produtos e empregos formais geral e da construção civil.

Está melhorando? Tiremos nossas próprias conclusões.

Segundo a Pesquisa Industrial Produção Física – Brasil do IBGE, comparando o ano de 2015 com 2014, a categoria Bens de Capital (que produz máquinas, equipamentos e peças para a produção de outras atividades industriais demandantes) encolheu 25,5%; Bens Intermediários encolheu 5,2%; Bens de Consumo encolheu 9,4%; sendo que Indústria Geral encolheu 8,3%.

Comparando o primeiro semestre de 2016 com primeiro semestre de 2015, a categoria Bens de Capital encolheu 20,1%; Bens Intermediários encolheu 8,8%; Bens de Consumo encolheu 6,7%; sendo que Indústria Geral encolheu 9,1%.

Em relação à produção industrial de bens intermediários e da indústria em geral, o primeiro semestre de 2016 foi percentualmente pior do que o ano de 2015, aprofundando ainda mais as quedas.

Em relação à produção industrial de bens de capital e bens de consumo, o primeiro semestre de 2016 foi percentualmente melhor do que o ano de 2015, sinalizando uma tendência de melhora.

Em relação ao mês anterior, comparando junho com maio, todas as categorias cresceram.

Segundo a Pesquisa Mensal de Serviços do IBGE, comparando o volume de vendas do ano de 2015 com 2014 de dois subsegmentos diretamente ligados ao consumo das famílias, Alojamento e Alimentação caiu 5,5%; Outros Serviços Prestados às Famílias caiu 4%.

Comparando o primeiro semestre de 2016 com primeiro semestre de 2015, Alojamento e Alimentação caiu 4,6%; Outros Serviços Prestados às Famílias caiu 3,2%.

Ou seja, em relação ao consumo de serviços ligados, principalmente, a hotéis e afins, alimentação fora do lar, educação, recreativos, desportivos, culturais, de embelezamento e demais serviços para manutenção do lar e da rotina familiar, o primeiro semestre de 2016 foi percentualmente melhor do que o ano de 2015, sinalizando uma tendência de melhora.

Em relação ao mês anterior, comparando junho com maio, Alojamento e Alimentação encolheu 0,2% e Outros Serviços Prestados às Famílias cresceu significativos 4,9%.

Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, comparando o volume de vendas de 2015 com 2014, o Varejo Ampliado (que abarca todas as áreas de atividades monitoradas) encolheu 8,6%; a atividade Material de Construção (atacado e varejo) encolheu 8,4%.

Comparando o primeiro semestre de 2016 com primeiro semestre de 2015, o Varejo Ampliado encolheu 9,3%; Material de Construção 13%.

Em relação às vendas gerais, o primeiro semestre de 2016 foi percentualmente pior do que o ano de 2015; em relação à venda de materiais de construção, o primeiro semestre foi, em seu percentual, significativamente pior do que o ano de 2015.

Em relação ao mês anterior, comparando junho com maio, o Varejo Ampliado encolheu 0,2%; Material de Construção cresceu 1,3%.

Por fim, em relação ao mercado de trabalho formal, segundo o CAGED - Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho, no primeiro semestre de 2015, mais pessoas foram desligadas do que contratadas, deixando um saldo de trabalhadores com carteira assinada negativo em 305.594 postos de trabalho. Em 2016, no primeiro semestre, este saldo ficou negativo em 531.765 postos de trabalho. Piorou!

No segmento da construção civil, no primeiro semestre de 2015, o saldo de celetistas ficou negativo em 129.471 postos de trabalho. Em 2016, no primeiro semestre, este saldo ficou negativo em 114.099 postos de trabalho. Não piorou!

Conclusões? Bom, talvez ainda seja difícil tirar alguma conclusão inequívoca, no entanto, diferentemente de quando analisamos os dados no fechamento do primeiro trimestre, há sinais, aqui e ali, que podem ser lidos de maneira favorável, o que não deixa de ser animador.

Aliás, como temos dito, ânimo e confiança de todos os segmentos, áreas de atividades e instituições financeiras é o que temos de incontestavelmente positivo.

Somando a isso, e esperamos, a aprovação definitiva do processo de impeachment até o final deste mês; a partir do quarto trimestre, estas e tantas outras variáveis deverão apresentar sinais evidentes de recuperação.

Desejamos a todos um Feliz Natal e Próspero Ano de 2017!

A Plataforma é um sistema de compartilhamento de inteligência de mercado, cogerida por Leroy Merlin, Eucatex, Pincéis Atlas e Votorantim Cimentos, empresas empenhadas em melhor entender o segmento, contribuindo para sua profissionalização e desenvolvimento.


Newton Guimarães

Inteligência de Mercado
/ GrupoRevenda
/ GrupoRevenda

newton.guimaraes@revenda.com.br

Cogestores da Plataforma