Informe 334
INFORMES ANTERIORES

FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO
Recuperação Econômica será o Melhor Presente deste Final de Ano



PREVISÕES PARA O CONSUMO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO
Materiais de Acabamento Lideram Intenções de Compras



CONSTÂNCIA GERA SABER
O Comportamento de Consumo no Mercado nos Últimos Três Anos.
INDAIATUBA, SÃO PAULO

Gastos com Materiais de Construção, Brasil, por Estados e Cidades
Indaiatuba é uma cidade localizada na região de Campinas, a pouco mais de 100 quilômetros de São Paulo, com estimados 231.000 habitantes, segundo projeções de 2015, realizadas pelo IBGE.

Sabemos, também, entre outras coisas, que possui um bonito parque ecológico, uma pujante área industrial, elevado índice de desenvolvimento humano (IDH) e que deverá consumir aproximadamente R$82.096.090,55 em materiais de construção comprados no varejo.

Mas... E daí?

Bom, daí que é um consenso de que, embora o segmento de material de construção seja extremamente relevante para a economia do país, considerando tanto obras de infraestrutura, construtoras, como o comércio (atacado e varejo), também é consensual que este mercado é carente, quando falamos de dados e informações geradas por métodos bem estruturados.

No final do ano passado, realizamos uma pesquisa na região metropolitana de São Paulo, tendo como objetivo estimar os gastos efetivados com materiais de construção por domicílio, entrevistando consumidores que realizaram uma reforma residencial.

O trabalho coordenado e realizado pela Best Forecast Marketing & Modelling dividiu a amostra de 500 entrevistados em classes sociais, estabelecendo cotas por regiões para coleta de dados.

Após essa coleta, foram ajustadas algumas diferenças da amostra via ponderação e expandidos os valores declarados, considerando o número de domicílios por estados e Brasil, para obtenção dos gastos totais, divididos em compras para pequenos reparos e manutenção doméstica e por cinco tipos de obras isoladas e/ou combinadas: pintura, elétrica, hidráulica, acabamento e básicas/estruturais.

Estes gastos efetivados cruzados com o percentual do potencial de consumo de materiais de construção por cidades nos proporcionaram parâmetros indicativos mais localizados.

Ou seja, Indaiatuba tem um consumo estimado/ano de R$82.096.090,50, considerando a compra de materiais de construção para uma reforma e materiais para pequenos reparos e manutenção doméstica, no entanto, quando pensamos apenas em compras de materiais de acabamento associados a uma reforma residencial, essa estimativa chega a R$20.384.473,66.

Já Nova Odessa, que fica cerca de 55 quilômetros de Indaiatuba, com uma população estimada de 56.000 habitantes, deverá consumir aproximadamente R$17.419.810,95 em materiais de construção comprados no varejo, para fins de reformas, pequenos reparos e manutenção doméstica, no entanto, quando pensamos apenas em compras de materiais de acabamento associados a uma reforma residencial, essa estimativa chega a R$4.317.703,31.

E assim, estrada afora...

A Plataforma é um sistema de compartilhamento de inteligência de mercado, cogerida por Leroy Merlin, Eucatex, Pincéis Atlas e Votorantim Cimentos, empresas empenhadas em melhor entender o segmento, contribuindo para sua profissionalização e desenvolvimento.



Newton Guimarães

Inteligência de Mercado
/ GrupoRevenda
/ GrupoRevenda

newton.guimaraes@revenda.com.br

Cogestores da Plataforma